A Avaliação da Atenção Primária: um olhar preliminar através do PCATool em Manaus, Amazonas
PDF

Palavras-chave

Avaliação em Saúde
Avaliação da Atenção Primária
Atenção Primária à Saúde

Como Citar

de Araújo Vieira Sá, L. (2019). A Avaliação da Atenção Primária: um olhar preliminar através do PCATool em Manaus, Amazonas. APS EM REVISTA, 1(2), 98-111. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.27

Resumo

Motivação: Este artigo tem por objetivo avaliar os atributos da atenção primária à saúde sob a perspectiva dos usuários do sistema de saúde pública no município de Manaus (AM).   Método: Realizou-se um estudo transversal, descritivo com uma população de 395 usuários cadastrados e atendidos pelas equipes da Estratégia Saúde da Família nas unidades básicas de saúde, os quais responderam com o uso do instrumento PCATool-Brasil (versão adultos) e a um questionário sociodemográfico.   Resultados: Os atributos da acessibilidade, integralidade, orientação comunitária obtiveram médias de escores baixos. O Escore Geral, mensurado pela média do Escore Essencial e do Escore Derivado, superou o ponte de corte de 6,6. A média do Escore Essencial foi de 7,16.   Conclusões: Os serviços e ações de saúde em Manaus de maneira geral possuem alto grau de orientação à Atenção Primária à Saúde, embora dois atributos essenciais e um atributo derivado possuam indicadores que necessitam ser melhorados.
https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.27
PDF

Referências

(1) STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. 726 p.

(2) SENNA, M. C. M.; SANTOS, M. A. ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NA AGENDA PÚBLICA BRASILEIRA: dilemas entre focalização e universalidade. Revista de Políticas Públicas. v. 21, n. 1 (2017) p.403-424.

(3) FELISBERTO, Eronildo et al . Política de monitoramento e avaliação da atenção básica no Brasil de 2003 a 2006: contextualizando sua implantação e efeitos. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v.9, n.3, p.339-357,Set. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292009000300013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09. Mai.2019.

(4) SHI L, STARFIELD B, XU J. Validating the adult primary care assessment tool. J Fam Pract 2001; 50(2):161-175.

(5) TANAKA, Oswaldo Yoshimi; TAMAKI, Edson Mamoru. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 821-828, Apr. 2012. Available from . access on 08 May 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000400002.

(6) INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE PARA OS MUNICÍPIOS E PARA AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101609.pdf . Acesso em: 08. Maio. 2019.

(7) BRASIL. Ministério da Saúde. Histórico de Cobertura da Saúde da Família no Brasil [internet]. Brasília, DF: MS; 2017 [acesso em 2019 mar 21]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php

(8) BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool PCATool - Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 80 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

(9) HARZHEIM, Erno et al. Validação do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: PCATool-Brasil adultos. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, [S.l.], v. 8, n. 29, p. 274-284, out. 2013. ISSN 2179-7994. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2019. doi:https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)829.

(10) IBAÑEZ N, ROCHA JSY, CASTRO PC, RIBEIRO MCSA, FORSTER AC, NOVAES MHD, et al. Avaliação do desempenho da atenção básica no estado de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva. 2006 Jul-Set; 11(3): 683-703.

(11) GUIBU IA, MORAESJC, GUERRA JUNIOR AA, COSTA EA, ACURCIO FA, COSTA KS, et al. Características principais dos usuários dos serviços de atenção primária à saúde no Brasil. Rev Saude Publica 2017;51 Supl 2:17s.

(12) PEREIRA, Aline Braido et al. Perfil social do usuário do sistema único de saúde na atenção primária em saúde. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Santa Cruz do Sul, v. 2, n. 3, p. 94-98, jul. 2012. ISSN 2238-3360. Disponível em: . Acesso em: 08 maio 2019. doi:https://doi.org/10.17058/reci.v2i3.2746.

(13) VIACAVA, Francisco; BELLIDO, Jaime G. Condições de saúde, acesso a serviços e fontes de pagamento, segundo inquéritos domiciliares. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 351-370, Feb. 2016 . Available from . access on 08 May 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015212.19422015.

(14) SILVA, Z. P. et al. Perfil sociodemográfico e padrão de utilização dos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), 2003-2008. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 9, p. 3807-3816, 2011.

(15) TESSER, Charles Dalcanale, NORMAN, Armando Henrique e VIDAL, Tiago Barra. Acesso ao cuidado na Atenção Primária à Saúde brasileira: situação, problemas e estratégias de superação. Saúde em Debate [online]. 2018, v. 42, n. spe1 [Acessado 8 Maio 2019],pp.361-378.Disponível em: .ISSN 2358-2898. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S125.

(16) CHOMATAS, Eliane et al. Avaliação da presença e extensão dos atributos da atenção primária em Curitiba. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, [S.l.], v. 8, n. 29, p. 294-303, out. 2013. ISSN 2179-7994. Disponível em: . Acesso em: 09 maio 2019. doi:https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)828.

(17) PAULA FA. Avaliação dos atributos da atenção primária na saúde do adulto na Estratégia de Saúde da Família de Diamantina/MG. Diamantina (MG): Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri; 2013.

(18) CÉSAR, Cíntia Cristina Mariano. Os desafios da promoção da saúde em territórios conflagrados e de extrema vulnerabilidade social: um olhar a partir do Complexo da Maré. 2016, 105 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Profissional em Saúde) - Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Rio de Janeiro, 2016.

(19) DINIZ SGM, Damasceno SS, Coutinho SED, Toso BRGO, Collet N. Avaliação do atributo integralidade na atenção à saúde da criança. Rev Gaúcha Enferm. 2016 dez; 37(4):e57067. doi: http://dx.doi.org/10,1590/1983-1447.2016.04.57067.

(20) ALENCAR, Monyk Neves de et al. Avaliação do enfoque familiar e orientação para a comunidade na Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 353-364, Feb. 2014 . Available from . access on 08 May 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014192.08522012. access on 08 May 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00132114.

(21) BATISTA VCL, Ribeiro LCC, Ribeiro CDAL, Paula FA, Araújo A. Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde segundo os profissionais de saúde da família. SANARE. 2016; 15(2):87-93.

(22) VAN STRALEN, Cornelis Johannes et al. Percepção dos usuários e profissionais de saúde sobre atenção básica: comparação entre unidades com e sem saúde da família na Região Centro-Oeste do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, supl. 1, p. s148-s158, 2008. Available from . access on 09 May 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300019.
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.